Flamengo 4x1 América - Final do Campeonato Carioca de 1955

De Flapédia
Ir para: navegação, pesquisa

Conteúdo

História

Dida, autor dos quatro gols da decisão

Flamengo e América terminaram o Campeonato Carioca do ano de 1955 apenas no ano seguinte. Com o rubro-negro tendo vencido o primeiro e o segundo turnos, e o alvi-rubro tendo conquistado o terceiro turno, as duas equipes se classificaram para a grande final da competição, através de uma melhor de três partidas.

No primeiro jogo, o Fla venceu por 1x0, com um gol de Evaristo no ultimo minuto da partida. O segundo encontro foi ganho pelo América, e de goleada: 5x1, e que parecia ser o fim do sonho do tricampeonato rubro-negro, já que este havia ganho os estaduais de 1953 e 1954. Porém, o Fla deu mais uma prova de sua força na terceira e última partida da final.

O jogo, disputado já em abril de 1956, foi inesquecível para os torcedores da época e está guardado na história do Clube, não só pela grande atuação da equipe, comandada pelo "feiticeiro" Fleitas Solich, mas também por ter sido uma justa homenagem póstuma a Gilberto Cardoso, presidente que morreu pelo Flamengo, literalmente, ao enfartar em uma partida de basquete.

Com uma atuação inspiradíssima de Dida, que marcou quatro vezes (três, segundo a Federação, que deu um gol contra do zagueiro Édson), o Fla bateu o América por 4x1 e sagrou-se, pela segunda vez na história, tricampeão estadual de futebol.

O Jogo

Joel, Duca, Evaristo, Dida e Zagallo - o famoso Rolo Compressor

Fleitas Solich, considerado um dos maiores técnicos da história do Flamengo, precisava fazer alguma de suas feitiçarias para recuperar os ânimos do time rubro-negro após a sonora goleada de 5x1 sofrida na segunda partida da decisão contra o América.

A defesa tinha tomado cinco gols e precisava de um homem mais duro, mais decidido e mais alto para não deixar Leônidas da Silva fazer gols de cabeça. Servílio, que estava na reserva foi o escolhido. No ataque, ele queria mais movimentação. Para isso colocou o alagoano Dida em campo. Deu certo. O centroavante terminou sendo o herói do jogo, após marcar os quatro gols da vitória por 4x1.

Durante a partida tudo, deu certo para o Flamengo. Ainda no primeiro tempo, uma entrada mais dura de Tomires no atacante ameircano Alarcon, fez com que o clube da Rua Campos Sales ficasse com dez jogadores. Dida, que estava endiabrado e jogou uma de suas melhores partidas com a camisa do Flamengo, aproveitou, e marcou o primeiro. Joel chutou na trave e na volta Duca emendou para o gol, a bola bateu na perna de Dida e deslocou o goleiro americano Pompéia: Fla 1x0.

O ataque rubro-negro, conhecido como Rolo Compressor, ainda mostraria muito mais. Joel, Duca, Evaristo, Dida e Zagallo estiveram em noite de gala. O segundo gol saiu de cabeça. Dida completou cruzamento de Dequinha para aumentar a vantagem. O jogo já estava no segundo tempo e o América tinha feito o seu gol. Foi então que a estrela de Dida brilhou novamente. De virada, com a perna esquerda, ele marcou o terceiro.

Mas ainda faltava um. E um gol inusitado. Evaristo, rápido, aproveitou repote de uma bomba de Pavão, que bateu no chão, encobriu Pompéia e acertou a trave. O atacante aproveitou o rebote, driblou o goleiro e adiantou a bola, preparando-a para chutar com o gol vazio. Mas, ele, Dida, vinha de trás, na corrida, não hesitou em roubar a bola do companheiro e fazer o quarto gol daquele jogo.

Os quatro tentos que marcou deixou a torcida do Mengão eufórica e fazendo um carnaval fora de época. Naquela noite, o Rio de Janeiro se vestiu de vermelho e preto. Mais uma vez. Era a terceira seguida, e os rubro-negros já estavam ficando mal acostumados. Depois da partida, jogadores do Flamengo foram ao Cemitério são João Batista e fizeram sua última homenagem ao presidente Gilberto Cardoso.

Ficha Técnica

Os Tricampeões, com as faixas da conquista

FLAMENGO 4 x 1 AMÉRICA
Campeonato Carioca 1955 - 3º Jogo da Final

Local: Maracanã, Rio de Janeiro (RJ)
Data: 04/04/56
Gols: Dida(4)

FLAMENGO: Chamorro. Servilho. Pavão. Tomires. Dequinha e Jordan. Joel. Duca. Evaristo. Dida e Zagalo.

Ver também

Ferramentas pessoais
Espaços nominais

Variantes
Ações
Navegação
Ferramentas