Flamengo 1x0 Vasco - Final do Campeonato Carioca de 1978

De Flapédia
Ir para: navegação, pesquisa

Conteúdo

História

O Deus da Raça, herói do título

Títulos conquistados no último minuto são sempre inesquecíveis. Para os torcedores do Flamengo, são ainda mais, especialmente se as decisões são contra o Vasco da Gama. E foi o caso em 1978, há quase 30 anos, em uma partida que é lembrada até hoje pelos rubro-negros, pois foi ali que nasceu a "Geração de Ouro" do Clube, que conquistou os maiores títulos de sua história: a Taça Libertadores da América e o Campeonato Mundial Interclubes, além de quatro Campeonatos Brasileiros.

Em um torneio que teve três artilheiros, com 19 gols cada, sendo dois do Flamengo - Cláudio Adão e Zico, e um do Vasco - Roberto Dinamite, a final foi decidida com apenas um golzinho. Um gol chorado, que veio a acontecer apenas aos 43 minutos do segundo tempo da decisão. Um gol que não sai da cabeça da Nação Rubro-Negra até os dias de hoje. E também insiste em não sair da cabeça dos vascaínos. Um gol que foi feito de cabeça. Da cabeça de um dos maiores jogadores da história do Mengo: o zagueiro Rondinelli, conhecido como Deus da Raça.

Reza a lenda, que no vestiário do Maracanã, naquele dia, foi feito um pacto entre os jogadores do Fla. Um pacto de vitórias, que daria início a uma sequência sensacional de títulos, como o Campeonato Carioca, duas vezes em 1979, e também em 1981, por exemplo, ano em que, aliás, o time conquistou a Taça Libertadores da América e o Campeonato Mundial Interclubes.

O Jogo

Um clássico fresco na memória de muitos rubro-negros. Comandado por Zico, o Fla enfrentava o arqui-rival Vasco, no último jogo do Campeonato Carioca do ano de 1978. Era, na verdade, o último jogo do segundo turno do torneio. Mas, como o time da Gávea havia vencido o primeiro turno, a Taça Guanabara, se vencesse o rival neste jogo seria campeão do segundo turno e sairia com o título estadual do Maracanã. Foi o que aconteceu.

Rondinelli, no exato momento da cabeçada heróica

Os vascaínos precisavam apenas de um empate, para conquistar o returno e adiar a decisão do Campeonato Carioca para a outra semana, contra o mesmo Flamengo. Em um jogo muito disputado, quem assustou mais foi o Flamengo. Zico, logo no início da partida, fez bela jogada e arriscou de fora da área, mas perdeu a chance. O time de vermelho e preto seguia muito melhor no jogo, e, necessitando da vitória, partia para cima da equipe de São Januário, que, por sua vez, jogou o tempo inteiro na retranca, assustando apenas nos contra-ataques.

No segundo tempo, de novo ele, Zico, tabelou com Cláudio Adão, entrou na área, e bateu colocado, mas o goleiro vascaíno Leão fez a defesa. Depois, aos 30 minutos da segunda etapa, de novo o Galinho, driblou zagueiro cruzmaltino e bateu da entrada da área. Leão defendeu mais uma vez, e no rebote, Adílio desperdiçou. O gol rubro-negro temia em não sair, mas a equipe não desistia.

E o zagueiro sai para comemorar o gol do título

Ninguém, nem a torcida do Fla, reparou quando Rondinelli deixou o seu posto de sentinela na zaga rubro negra e caminhou em direção À área do Vasco. Eram 41 minutos do segundo tempo e Zico ia bater o escanteio. O Galo levantou a bola na área e o Deus da Raça penetrou, subiu mais que os zagueiros vascaínos e cabeceou violentamente para a meta de Leão. Um gol impressionante, inesquecível e decisivo: Flamengo 1x0 Vasco. Ainda faltavam quatro minutos de jogo, mas os cruzmaltinos não teriam forças para reagir.

Foi só aguardar o juiz apitar o final da partida para o carnaval rubro negro começar no gramado, no vestiário e pelas ruas da cidade do Rio de Janeiro. O Flamengo era, mais uma vez, campeão estadual de futebol. E o melhor: com gol no finalzinho, e em cima do Vasco.

Vídeo

{{#ev:youtube|8oqSTRKHxAM}}

Imagens

Ingresso desta partida histórica

Ingresso desta partida histórica

Ficha Técnica

Pôster dos Campeões - Revista Placar

VASCO 0 x 1 FLAMENGO
Final do Campeonato Carioca 1978

Local: Maracanã, Rio de Janeiro (RJ)
Data: 03/12/1978
Gol: Rondinelli, aos 41'/2ºT

FLAMENGO: Cantarelli, Toninho, Manguito, Rondinelli, Júnior, Carpeggiani, Adílio, Zico, Marcinho, Cleber(Eli Carlos) e Tita(Alberto Leguelé). Técnico: Cláudio Coutinho.

Ver também

Ferramentas pessoais
Espaços nominais

Variantes
Ações
Navegação
Ferramentas