Adriano Leite Ribeiro

De Flapédia
Ir para: navegação, pesquisa

Lente.pngDesambiguação para outro Adriano

Adriano

Conteúdo

Biografia

Adriano Leite Ribeiro (Rio de Janeiro, 17 de Fevereiro de 1982) é um habilidoso atacante revelado pelo Flamengo nos idos de 2000. Sua intimidade com a pelota o levou ainda muito cedo para a Seleção Brasileira e também para o futebol europeu, onde ficou conhecido pela alcunha de O Imperador.

Carreira

O começo da carreira

Adriano ensaia seus primeiros passos no futebol

Garoto pobre da favela de Vila Cruzeiro no Rio de Janeiro, Adriano chegou ao Flamengo, seu clube do coração, trazido pela mãe quando tinha apenas nove anos de idade. Franzino, baixinho e em condições totalmente desfavoráveis, o atleta começou na Gávea treinando Futsal. Contudo, seu natural dom de futebolista e a dedicação o fizeram adquirir boa condição física em um curto espaço de tempo, de forma que, quatro anos após seu ingresso no Mais Querido do Brasil, Adriano passou a jogar futebol de campo.

Assistido por profissionais do Fla desde então, o que se viu ao longo do tempo foi uma completa transformação. Adriano ainda enquanto jogava nas divisões de base do clube, se transformou num rapaz forte e ainda melhor, aprendeu a utilizar o corpo ao seu favor. Foi assim que em 1999 quando ainda atuava na posição de lateral-esquerdo, ajudou o Flamengo numa virada sensacional sobre o Sport pela Taça Belo Horizonte de Juniores, naquela oportunidade, Adriano marcou dois gols que empataram a partida e logo após sofreu o pênalti do que seria o gol da virada. Aquela atuação inegavelmente abriu os olhos do então treinador dos profissionais Carlos Alberto Torres.

A história poderia ser menos cruel com o atacante, mas não foi, apesar de ter já naquela época ter chamado a atenção do então treinador Carlos Alberto Torres, Adriano que era escalado sempre na posição de lateral-esquerdo, chegou a figurar na lista de dispensas do clube, o que poderia pura e simplesmente ter significado o afastamento de um dos maiores ídolos do futebol brasileiro recente. Por sensibilidade do Capitão do Tri, que enxergou no jogador pelo seu porte físico, uma possibilidade de furar as retrancas impostas pelo futebol moderno, Adriano não só ficou na Gávea como foi lançado no time principal como Atacante.

A situação não era das mais fáceis, e Adriano teria que substituir ninguém menos do que Romário egresso do clube menos de um ano antes. Sua estréia aconteceu num clássico contra o Botafogo, pelo Torneio Rio-São Paulo de 2000. Contudo, aquela ainda não era a estréia que marcaria definitivamente a trajetória do Imperador no futebol profissional. Apenas quatro dias depois, o atacante substituiria o lateral Maurinho no intervalo de uma partida contra o todo poderoso São Paulo válida pelo mesmo Rio São-Paulo e mudaria o jogo, marcando um gol e conferindo três belíssimas assistências.

A saída

Adriano, o camisa 29 da Gávea

Daquele marcante jogo contra o São Paulo até a saída de Adriano do Flamengo, foram mais 44 jogos, com doze gols marcados. A história do atacante pelo Fla sempre foi marcada pela passionalidade, que aliás, trouxeram alguns revezes para o próprio Adriano. Antes de sair do clube, o então jovem atleta que sonhara ser aplaudido pela imensa massa rubro-negra, passou a ser perseguido, vaiado, e teve de lutar para erguer a cabeça.

Sagrou-se tricampeão carioca em 2001 assistindo às emocionantes partidas daquela conquista no banco de reservas, porém, três meses após, foi envolvido numa das mais desastradas negociações da era Edmundo dos Santos Silva. Adriano foi vendido juntamente com Reinaldo, outro atacante formado nas divisões de base, de volta, o time receberia o volante Vampeta e mais R$ 5 milhões.

A trajetória na Itália

Na Internazionale, marcou um gol no Real Madrid, dentro do Santiago Bernabéu, logo em seu jogo de estréia. Entretanto, como a Inter já possuía atacantes de primeira linha em seu elenco, Adriano acabou sendo emprestado ao Fiorentina e, em seguida, ao Parma. Em 2004, Adriano voltou aos planos da Inter, e marcou 15 gols nas 16 apresentações que fez pelo time de Milão na temporada. Deste modo, o atacante brasileiro não teve dificuldades em firmar-se como titular absoluto em sua equipe.

Em 2008, com problemas de ordem pessoal, Adriano voltou ao Brasil para se tratar. Inicialmente imaginava-se que o jogador voltaria ao Flamengo, clube que o criou, e pelo qual sempre se delcarou apaixonado. No entanto, a estrutura do São Paulo impressionou ao Inter de Milão, dono do seu passe, e o atacante assinou um contrato de seis meses com o clube paulista, período que a Azurra julgara suficiente para que Adriano voltasse a render o bom futebol de outrora em gramados Italianos.

Pelo São Paulo Adriano não conquistou títulos, mas enquanto esteve no clube superou as críticas e foi essencial para a concretização dos resultados positivos conseguidos pelo tricolor á época. Na curta estadia, o atacante marcou onze gols pelo Campeonato Paulista e rumou com a equipe até as quartas-de-final da Taça Libertadores da América de 2008, na competição continental aliás, foram cinco tentos.

Ainda em 2008 Adriano voltou a Itália, para disputar mais um Scudetto pela Inter de Milão. Com boas atuações o jogador se sagrou mais uma vez campeão italiano e colecionou outras convocações para a Seleção Brasileira comandada por Dunga.

Após a passagem de sucesso pelo Flamengo em 2009, o Imperador julgou acertado o momento do seu retorno á Itália no ano de 2010. Contratado pelo Roma por cifras generosas, o atacante mostrou-se inicialmente muito empolgado com sua volta ao Velho Mundo, todavia, após experimentar algumas lesões e uma série de outros revezes, incluindo problemas de relacionamento com o técnico do clube Romanesco, Adriano e o Roma decidiram consensualmente romper o contrato ainda no ínicio de 2011.

O retorno ao Flamengo

Adriano ergue a taça do Hexa

Comandante do Hexa

Em 2009, porém, Adriano que ficara no banco de reservas em duas partidas da Seleção pelas eliminatórias da Copa do Mundo de 2010, não retornou a Milão. Alegando problemas de saúde, o jogador que teve seu nome envolvido em escândalos produzidos pela mídia, resolveu ficar no Brasil para se tratar. Foi ainda nesta situação, que os dirigentes do clube italiano resolveram rescindir amigavelmente o contrato do habilidoso jogador. A partir daí os dirigentes rubro-negros entraram em campo e no dia 6 de maio de 2009 o Flamengo anunciou oficialmente a volta do Imperador ao seu primeiro clube.

Idolatrado pela torcida do Mais Querido do Brasil, Adriano foi acolhido no Flamengo como um verdadeiro Imperador, e desta forma, retribuiu aos seus súditos o que se esperava. No Campeonato Brasileiro de 2009, Adriano foi junto a Petkovic e o técnico Andrade, o destaque do Flamengo na competição.

Ao fim do torneio, o Fla conquistou seu hexa campeonato brasileiro, e o Imperador ficou com a artilharia do campeonato nacional junto com o ex-jogador do Flamengo Diego Tardelli, do Atlético-MG, ambos com 19 gols marcados.

Brilhante em 2009, Adriano iniciou a temporada 2010 com um sobrepeso que lhe atormentou a vida durante o primeiro semestre daquele ano. Dado o seu conhecido potencial, o Imperador passou a ser cobrado pelas suas atuações já não tão louváveis, de forma que seu nome, até então praticamente certo na lista dos convocados para a Copa do Mundo de 2010 da África do Sul, passou a ser uma icógnita.

Em 2010 ao lado de Vágner Love, com quem formou o badalado Império do Amor, Adriano primeiro viu se esvair pelas suas mãos a possibilidade de conquistar o inédito tetracampeonato carioca, e antes de ser eliminado também da Taça Libertadores, foi cortado da lista de Dunga e ficou de fora do Mundial de Seleções.

A saída

Após perder um pênalti na decisão da Taça Rio, em que o Flamengo acabou sendo derrotado pelo Botafogo por 2 a 1, Adriano começou a ser muito pressionado pela torcida. Logo depois, o Flamengo foi eliminado da Copa Libertadores da América de 2010 pelo Universidad de Chile, onde Adriano também marcou o seu último gol com a camisa do rubro-negro carioca, o segundo na vitória de por 2 a 1 sobre a equipe chilena, resultado que eliminou o Mais Querido do Brasil, o Flamengo, após perder a partida de ida no Maracanã pelo placar de 3 a 2. Após a eliminação, começaram a surgir fortes boatos de que Adriano iria se transferir para a Roma.

Roma

Em meio as polêmicas, em 27 de maio de 2010, o seu empresário, Gilmar Rinaldi, confirmou que Adriano jogaria pela Roma a partir da temporada 2010-2011, entretanto o contrato ainda não teria sido assinado e Adriano viajaria à Itália para acertar os detalhes.

Em 9 de junho de 2010, foi apresentado oficialmente como novo jogador da Roma no estádio Flamínio, usando a camisa de número 8. Assinou contrato de três temporadas com a equipe romana.

Em 8 de março de 2011, a Roma, por meio de seu site oficial, anuncia a rescisão do contrato de Adriano em mútuo acordo principalmente pelo seu comportamento inadequado extra-campo e seu baixo aproveitamento e rendimento nos jogos. Adriano deixou o clube sem marcar sequer um gol em partidas oficiais, já que o único gol marcado foi na sua estreia, em jogo amistoso, contra um combinado da região de Riscone Brunico e o Roma venceu por 13 a 0.

Corinthians

De volta ao Brasil, o Imperador Adriano foi fortemente cotado para assumir o ataque do Flamengo, e fez questão de não esconder o seu desejo de voltar ao clube do coração para atuar ao lado do ídolo e amiga particular do Imperador, o meia Ronaldinho. Todavia, a diretoria rubro-negra entendeu que o atleta não se encaixaria na filosofia que houvera sido implantada pelo consagrado técnico Vanderlei Luxemburgo.

Desta forma, sem poder jogar no seu clube de coração, Adriano aceitou uma proposta para defender o time de segunda maior torcida do país, o Corinthians. A chegada do Imperador ao Parque São Jorge foi cercada de revezes. Criticado pelo excesso de peso, o atacante acabou se machucando seriamente quando ainda se preparava para estrear pelo alvinegro.

Apesar disso, e sem conseguir recuperar-se completamente da lesão no tendão de aquiles, o Imperador ainda retornaria aos gramados em 2011. No dia 20 de novembro de 2011, em partida decisiva disputada pelo time paulista, Adriano marcaria um importante gol sobre o Atlético MG. Com a vitória conquistada graças ao tento do ex jogador do Flamengo, o Corinthians acabou se sagrando Campeão brasileiro daquela temporada, empurrando o Vasco para a segunda colocação do torneio nacional.

Depois disso, Adriano só conseguiu jogar mais quatro partidas pelo Corinthians, totalizando 8 jogos. Curiosamente, em 2012, o primeiro jogo, foi um amistoso em Londrina justamente contra o Flamengo. Na ocasião o atacante mostrou estar mal fisicamente e foi "rebaixado" para a etapa de preparação física. Pelo Paulistão, voltou a atuar mais três vezes, sendo apenas uma, contra o Botafogo SP. Despediu-se do Corinthians em 4 de março de 2012, em partida contra o Santos.

De volta ao Flamengo: Uma nova chance

Ao se desligar do Corinthians envolvido num imbróglio jurídico, e após revelar ao Brasil a persistência das cicatrizes da lesão contraída enquanto defendia o time paulista, o Imperador Adriano passou a figurar nos noticiários esportivos como alvo do Flamengo.

Foi assim que, em decisão tomada pelo clube, e apoiada pela maioria esmagadora da torcida, o ídolo foi convidado a se recuperar na Gávea sob os cuidados do incomparável Dr. José Luiz Runco. Na ocasião, a equipe médica do Flamengo decidiu pela realização de nova intervenção cirúrgica no craque. Após período de recuperação, sinalizava o Mais Querido do Brasil, Adriano poderia voltar a vestir o manto sagrado.

A possibilidade de ter Adriano de volta, naquela temporada, serviu como verdadeiro alento à torcida rubro-negra. Isto porque em 2012 o Flamengo acumulava decepções dentro dos gramados, sobretudo após a eliminação traumática da Taça Libertadores e do adeus do meia Ronaldinho Gaúcho. No ataque as coisas também não iam bem, já que apesar das atuações regulares de Vágner Love, o seu companheiro Deivid tinha um rendimento muito abaixo do esperado.

Assim, em agosto de 2012, após completada a fase de recuperação cirúrgica, o Flamengo decidiu assinar um contrato de produtividade com o Imperador, que inicialmente ganharia quase 10 vezes menos do que em 2009, mas, por outro lado, poderia dar a volta por cima mais uma vez e mostrar as suas credenciais de craque. O Imperador declarou na sua apresentação: "Aqui é minha casa, todos me tratam muito bem. A satisfação de estar no Flamengo é a mesma de quando eu tinha 7 anos de idade e tive que lutar para estar aqui. Agora, é trabalhar bastante para voltar bem. Não há um período certo, mas quando chegar o momento certo eu vou estrear"

O atacante, decidido a voltar aos gramados, chegou a pedir para se concentrar junto com a equipe, mesmo sem condições físicas de ir a campo, e aparentava estar caminhando para um retorno feliz ao Flamengo. Todavia, a ausência reiterada nos treinos e a pouca evolução no preparo físico denunciavam que o Imperador ainda não estava pronto pra voltar.

No dia 5 de novembro de 2012, o jogador divulgou uma nota oficial afirmando que não pensava em jogar mais naquele ano e que sua volta ao futebol só aconteceria na temporada seguinte. Com o fim do contrato com o Flamengo, em 22 de dezembro de 2012, o retorno de Adriano não pôde mais acontecer no Mais Querido do Brasil. Na sua terceira passagem pelo Fla, Adriano sequer entrou em campo para uma partida oficial, tendo disputado apenas um jogo-treino contra o Audax, sem marcar gols.

Seu retorno também não aconteceu em 2013, como houvera prometido, já que o atacante só voltaria a treinar em 2014, no Atlético PR. No clube paranaense foram apenas três partidas oficiais, um amistoso e um único gol assinalado, contra o The Strongest, em partida válida pela Taça Libertadores da América.

A Seleção Brasileira

Vestindo a camisa da Seleção, Adriano teve a oportunidade de participar das conquistas da Copa América de 2004 e da Copa das Confederações de 2005. Foi destaque nesses dois torneios, sagrando-se artilheiro em ambas competições e garantindo sua vaga para a Copa do Mundo de 2006, quando viveu seu momento mais difícil. Logo após o falecimento de seu pai. Ficou quase o ano inteiro sem marcar um gol pela Internazionale e, depois da Copa do Mundo, foi duramente criticado pela imprensa esportiva brasileira, irritada com a péssima campanha do Brasil no Mundial.

Após a chegada de Dunga, Adriano foi mantido na Seleção Brasileira e ganhou a confiança do novo treinador. Paralelo a todos os problemas que vivia, sobretudo fora de campo, o Imperador sempre esteve nas listas do capitão do tetra, ao menos, até muito próximo da Copa do Mundo da África do Sul.

Campeão da Copa das Confereções pela Seleção Brasileira em 2009, poucos imaginariam que Adriano não fosse ao Mundial da África do Sul, mas foi o que aconteceu, e o Imperador que então defendia o Mais Querido do Brasil ficou de fora em 2010.

Dados

Nome Completo: Adriano Leite Ribeiro
Apelido: Imperador
Nascimento: 17 de Fevereiro de 1982
Local: Rio de Janeiro
Posição: Atacante
Altura: 1,89 m
Peso: 90 Kg

Nº de Jogos: 94
Nº de Gols: 46

1° Jogo: 2 de Fevereiro de 2000 (Flamengo 2x2 Botafogo)

Histórico

Anos Time
1999-2001 Flamengo
2001 Inter de Milão - Itália
2002 Fiorentina - Itália
2002-2003 Parma - Itália
2004-2007 Inter de Milão - Itália
2008 São Paulo
2008-2009 Inter de Milão - Itália
2009-2010 Flamengo
2010-2011 Roma - Itália
2011-2012 Corinthians
2012 Flamengo
2014 Atlético PR
2000-2010 Seleção Brasileira

Títulos

Flamengo

Trofeu brasileiro2.png Trofeu 1.jpg Trofeu 1.jpg Trofeu G.png Trofeu R.png

Inter de Milão

Corinthians

Seleção Brasileira

  • Copa das Confederações: 2005
  • Copa América: 2004
  • Campeonato Mundial Sub-17: 1999
  • Campeonato Sul-Americano Sub-20: 2001
  • Torneio de Toulon: 2002

Prêmios

Artilharias

Estatísticas

Ano Jogos Gols Marcados Assistências Cartão Amarelo Cartão Vermelho
2000 32 10 - - 0
2001 14 2 - - 0
2009 30 19 7 2 0
2010 18 15 6 1 0
2012 0 0 0 0 0
Total 94 46 13 3 0

Ligações externas

Ver também

Ferramentas pessoais
Espaços nominais

Variantes
Ações
Navegação
Ferramentas